É frequente encontrar clientes numa onda de frustração e hoje vamos debater as formas de lidar com isso.

O facto dos resultados de uma mudança alimentar não serem rapidamente notórios, pode levar os clientes a desmotivar.

Motivação essa que acaba pesando também na nossa forma de atuar.

Para te ajudar a lidar com essa situação, preparei este artigo com todos os conselhos mais ajustados a esse tipo de situações, quer para ti nutricionista, quer para o teu cliente.

METAS REAIS E ATINGÍVEIS!

Traçar objetivos que sejam independentes de fatores externos.

Incentiva os teus clientes a delinear as mudanças nas respetivas rotinas de acordo com as capacidades que têm.

É importante que a concretização das metas seja dependente apenas do cliente e não tanto dos que o rodeiam.

O risco de definir metas que não sejam realistas, vai conduzir a desmotivação e consequente frustração…

Por outro lado, definir metas que estejam dependentes de outros fatores (vou ao ginásio quando a minha amiga for ou quero perder peso para o Verão), vão levar a uma fraca responsabilização do cliente e frequente justificação dos não resultados, por esses mesmos fatores!

Fica atenta!

EMPATIA

Dar atenção ao cliente, ouvindo-o e percebendo as suas preocupações.

A melhor maneira de corrigir o plano alimentar é compreender o que cada pessoa pretende mudar, porquê e também O QUE está disposta a mudar!!

Daí ser importante estares atenta e fazeres as perguntas necessárias para conheceres as rotinas alimentares e todo o percurso que o teu cliente já fez, até chegar até à tua consulta.

PERSONALIZA!

Personalizar as consultas ao tipo de pessoa é essencial para acabar com a frustração.

Conhecer as particularidades e aquilo que diferencia um cliente de outros pode tornar uma consulta mais produtiva. Este é um aspecto que aproxima o profissional de nutrição e a pessoa que acompanha.


INCENTIVA!

Incentivar a comunicação é determinante para uma consulta correr como desejado. A comunicação é a base de qualquer atividade, principalmente na Nutrição, onde sabemos que o nosso papel vai bem mais além que a simples contagem de calorias!

Expor as ideias com clareza permite evitar mal entendidos, o que pressupõe garantir que a mensagem foi percebida.

Por isso, promover a transparência numa consulta é uma das bases para impulsionar os aspetos referidos acima.

Uma forma de transmitir sinceridade e proximidade é dar exemplos credíveis, de casos reais, se possível, exemplos próprios.

Este aspecto faz com que os clientes se identifiquem com os casos apresentados e se sintam mais motivados.

MÍNIMOS DETALHES!

A leitura da linguagem corporal é sempre uma mais-valia para perceber os sinais que a comunicação verbal não revela.

Analisar a postura e a repetição de determinados gestos pelos clientes pode ajudar a compreender o nível de insatisfação.

Muitas vezes, aspetos como o tom de voz e o olhar informam sobre as expectativas que têm, bem como o seu estado emocional.

MOTIVA!

Por último mas não menos importante, é motivar os clientes, ao lembrar-lhes aquilo que os levou a escolher aquele caminho, os resultados que já conquistaram.

No dia-a-dia, acabamos por nos esquecer dos principais objetivos que nos movem, e deixamo-nos envolver pelos problemas do quotidiano.

Recordar a essência desses objetivos é mostrar que é possível atingi-los e será certamente, mais uma forma de afastar a frustração.

Espero que estejas já preparada para colocar estas dicas em prática!

Com energia total,

Joana Carvalho Costa