O mundo da Nutrição não é “pêra doce”!

 
Tens de estar preparada para saber lidar com todo o tipo de pacientes que se irão sentar à tua frente. Todos com objetivos diferentes. Por essa razão, tens de saber adaptar-te e diferenciar-te do Nutricionista “da porta ao lado”.
 
Tu não sabes o que levou o teu cliente a ir ter contigo. Sabes apenas que todos são diferentes e que uns têm a autoestima mais elevada. Outros mais baixa. E ainda há aqueles que a possuem muito muito em baixo.
E é com esses pacientes que tu tens de saber trabalhar melhor.
Porque são os mais desafiantes. Os que te vão consumir mais “energia”, os que te vão ter de fazer planear melhor. E preparar melhor também! Por isso se queres dominar estes pacientes mais “difíceis” eis que ficam aqui algumas dicas que te podem ajudar.
 

Usa escalas

As escalas são importantes. Faz com que o teu paciente classifique numa escala de 0 a 10 como se sente no momento da consulta. Em relação ao seu corpo, ao seu peso e à sua imagem.
Esta métrica é extremamente importante para que o cliente perceba em que ponto é que está e o que terá de trabalhar para atingir os seus objetivos. Por outro lado, tu consegues medir e avaliar toda a evolução do cliente desde o primeiro momento em que te vê até à consulta final.
 

Ajuda o teu cliente a elevar a sua auto-estima

Pede ao teu cliente que escreva as razões pelas quais se sente mal com o seu corpo, com o seu peso e com a sua imagem em determinado momento.
Nesse mesmo papel ao lado dos motivos menos bons pede-lhe que escreva os motivos pelos quais gosta de si, do seu corpo ou da sua imagem.
Quais são as características que mais aprecia em si e porquê.
 

 
Muitas vezes as pessoas têm a autoestima tão baixa que nem sequer conseguem reconhecer os pontos fortes em si. Nessas situações deves pedir sempre a “ajuda do público“.
Ou seja, deves inverter a pergunta para “O que é que os outros diriam de si? O que é que as pessoas mais próximas de si (os seus amigos, marido/esposa), apontariam como principais características?”.
Talvez assim seja mais fácil para o teu cliente conseguir chegar à conclusão de que tem pontos fortes passíveis de serem trabalhados.
 

c) Ações de melhoria

Por fim, e passadas todas as fases que te descrevi anteriormente deves fazer um novo pedido ao teu cliente durante uma das consultas de nutrição:

Escrever 5 medidas de melhoria que esteja disposta a tomar, para “mudar de vida”.

E nesta fase o teu papel é importante. Serás Nutricionista do teu cliente mas também acabas por ter um papel de Coach, que será muito relevante.
Nesta fase deves dar sugestões e ajudar dentro do possível a tua cliente a mudar os velhos hábitos para sair do ciclo negativo e voltar então onde estava antes de começar a baixar a sua autoestima.
Neste processo de mudança, vais acabar por ser também o seu “Coach nutricional”.
Porque vais estar lá para ajudar a identificar pontos menos bons e a corrigi-los.
Não desperdices essa arma poderosa! Tens o poder de mudar vidas!!
E se achas que o Coaching e a Nutrição são dois mundos à parte talvez este texto te possa fazer mudar de ideias. Porque a realidade é que o Coaching pode sim estar associado (e bem!!) à Nutrição!

Boa sorte e boas consultas!

Com energia total,
Joana Carvalho.