Qual a certeza que tens de que a tua consulta poderá de facto mudar a vida do teu paciente?
Olá nutri, todos os dias recebes no teu consultório dezenas de pessoas. E todas elas são diferentes, com necessidades específicas e objetivos diferentes. A todas fazes a avaliação e cedes um plano estruturado sobre uma forma de vida e alimentação que criará uma vida mais saudável. Mas… sê honesta: tens mesmo a certeza de que a tua consulta pode mudar a vida do teu paciente?
No momento em que o teu cliente entra pela tua porta e até que o objetivo final que ali o levou seja cumprido, o teu paciente é parte dos teus dias. Sobre ele, tens responsabilidade. Ao entrar pela porta do consultório, o paciente deposita em ti a confiança, certo de que as suas doenças serão curadas, o seu peso será alterado e a sua vida será melhor. Há um leque de expetativas que liga cada nutricionista ao paciente e, por sua vez, também o paciente ao especialista que está à sua frente.
A avaliação nutricional destes pacientes é um primeiro passo para que se chegue ao diagnóstico e sejam firmemente estabelecidas as necessidades inerentes a cada indivíduo. É com base nas caraterísticas individuais e únicas de cada pessoa que te lanças no mundo dos conhecimentos obtidos através de muitas horas de estudo e estabeleces um plano de ação para a conquista dos patamares nutricionais que te parecem mais corretos.
Este processo, pelo qual o paciente passa de forma mais ou menos despreocupada, é inerentemente teu… mas, a partir daqui, a implementação de toda a estrutura definida trata-se de uma dança entre a forma como o aconselhamento especializado é transmitido e como o paciente o interioriza e aplica na sua vida.
A comunicação tem, aqui, um papel fundamental: a maneira como falas com o teu paciente e o orientas para os conceitos fundamentais sobre a saúde e também a alimentação irá determinar o impacto que a consulta terá, de facto, na sua vida. Por norma, os pacientes respondem melhor a factos concretos e simples, sem termos clínicos complexos. Assim, o impacto na vida do paciente poderá ser tão maior quanto mais simples for a tua abordagem no momento de ensinar a melhor forma de criar uma vida e uma dieta saudável.
A tua consulta pode, sim, mudar a vida do paciente.
Muitas vezes, nesta abordagem, os resultados falam por si.
Uma avaliação da evolução do paciente, ao longo das consultas, poderá ser um indicador fiável no que diz respeito à forma como a tua intervenção está a ser sentida do lado de quem procura ajuda.
A  empatia é, aqui, a melhor forma de saberes se o método aplicado está a ser produtivo ou se é necessário estabelecer novas formas de entendimento entre os dois.
O mais importante é manteres em mente que a tua opinião especializada tem um impacto muito particular na vida do paciente e que, se gerida da forma mais correta, pode mudar (e muito!) a sua vida.